sexta-feira, 3 de julho de 2015

Hospital das Clínicas realiza mais de mil atendimentos por dia

Cássia Veras (Assessoria HC)

Foto: Arquivo Secom
O Dia do Hospital é comemorado em 2 de julho. No Acre, o Hospital das Clínicas (HC) de Rio Branco, inaugurado em 1991, é a unidade de média e alta complexidade que atende todos os municípios, estados vizinhos e países como Peru e Bolívia. Em média, o HC realiza 1.100 atendimentos diários.
Hospital do Câncer, Hospital do Idoso, serviços de Dermatologia, Patologia, Nefrologia, Atendimento Médico Especializado (Same), Atenção Especializada (SAE), centro cirúrgico, Serviço de Apoio ao Diagnóstico e Terapêutico (Sadt), unidade de terapia intensiva (UTI), enfermarias, Gerência de Ensino, Programa de Obesidade, Central de Agendamento de Cirurgias (CAC) e Central de Transplantes são alguns dos departamentos que compõem a estrutura do HC.
O Same, por exemplo, é o setor responsável pelo agendamento e realizações de consultas médicas e
Foto: Arquivo Sesacre
recebe, diariamente, cerca de mil pacientes. “Em média, realizamos 750 consultas e agendamos 300. Possuímos 71 salas de ambulatório e 43 especialidades médicas. Entre as mais procuradas, estão a cardiologia, ortopedia, neurologia, otorrinolaringologia e oftalmologia”, informa a gerente de ambulatório Daniella Barcellos.
Completamente coberto pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o HC realiza eletrocardiograma, ultrassom e raios-X, sendo estes os mais requisitados entre os 13 tipos ofertados na unidade. Somente de janeiro a maio deste ano, foram realizados mais de 30 mil procedimentos.
Para a paciente Elma dos Santos, o atendimento realizado no HC é de qualidade. “Não vejo diferença do atendimento aqui e o atendimento em um consultório particular. A única diferença é o tempo de espera, para alguns médicos é bem rápido e para outros demora mais. Mas sempre que precisei de atendimento médico aqui eu recebi”, conta.

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Saúde pública do Acre caminha para zerar cirurgia de urologia

Ana Paula Pojo (Agência de Notícias do Acre)


Foto: Gleilson Miranda/Secom 
Mais uma boa notícia para o Acre: a saúde pública caminha para zerar cirurgias de urologia no estado. A informação positiva foi passada pelos representantes da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), ao governador Tião Viana, durante agenda realizada na Casa Civil, neste sábado, 27.
De acordo com a superintendente do Hospital das Clínicas, Juliana Quinteiro, a ideia é ampliar os serviços já existentes e o quadro profissional com a vinda de médicos de outros estados para agilizar as cirurgias da urologia. “Com isso, o paciente ficará menos tempo na fila. Nós já possuímos todo o material da urologia e firmamos uma parceria com os médicos que serão responsáveis pelas cirurgias”, acrescentou a enfermeira.
O secretário de Saúde, Armando Melo, contou que reduziram o número de pacientes utilizando sondas. “Nós estamos avançando, fizemos agora um mutirão que resultou na realização de 48 cirurgias de urologia em apenas 15 dias. Nosso objetivo é trabalhar o principal princípio básico em respeito às pessoas”, disse Melo.
Para Tião Viana, o objetivo do governo é avançar nas implementações e resultados e na expansão do número de cirurgias, além da aquisição de novos materiais.
Projeto Sonda Zero
Por meio do projeto “Sonda Zero”, que propõe eliminar o uso da sonda, o Hospital das Clínicas é o único órgão no estado responsável por realizar a cirurgia urológica. O procedimento cirúrgico é referência para todo o estado e também vem atendendo o Amazonas e Rondônia. O fluxo de pacientes que chegam na unidade à procura da cirurgia é muito considerável.
Na ocasião, os gestores trataram ainda de outras demandas, como os 20 transplantes realizados só este ano, além dos diversos mutirões que estão sendo realizados em Senador Guiomard, que até então, tinha leitos ociosos e hoje recebem pacientes para realizarem diversas cirurgias como hérnia e laqueadura, com atendimento 24 horas de domingo a domingo.

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Acre realiza 10º transplante de rim deste ano

Cássia Veras (Assessoria HC)

O décimo transplante de rim deste ano foi realizado na madrugada desta terça-feira, 23, no centro cirúrgico do Hospital das Clínicas (HC) de Rio Branco. A família da doadora de 53 anos, vítima de acidente vascular cerebral (AVC), doou os rins, mas, por questões de compatibilidade, apenas um ficou no Estado – o outro foi disponibilizado à Central Nacional de Transplantes, que enviou para um receptor compatível de São Paulo.
Foto: Júnior Aguiar
Edivilson da Silva, 49, adquiriu insuficiência renal após um derrame, ocasionado pela pressão alta. Nos últimos dois anos, Silva se submetia a hemodiálise três vezes por semana, quatro horas por dia. “Minha vida mudou completamente, a rotina mudou, meus amigos mudaram, apenas a minha família permaneceu a mesma, ela é a minha base, meu suporte”, contou.
Para o paciente, o transplante é sinônimo de vida nova. “É uma alegria inexplicável. A sensação de que viverei sem a hemodiálise é reconfortante. O que mais quero é sair daqui para cuidar da minha família, ser um exemplo para os meus filhos.”
Este é o 71º transplante de rim realizado no Acre, entre doações de pacientes vivos e mortos. Para a coordenadora da Central de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos (CNCDO/Acre), Regiane Ferrari, a comunidade vem apresentando um entendimento maior sobre as questões da doação de órgãos e tecidos, por isso o número de transplantes no Estado tem aumentado. No entanto, a doação no Brasil poderia estar melhor.
“Esperamos que a comunidade entenda que ela é a maior parceira para os transplantes, porque transplantes não se fazem apenas com aparato hospitalar, médicos, o transplante se faz em conjunto direto com a sociedade”, ressaltou a coordenadora.